Insira aqui o seu email para receber gratuitamente as actualizações do blog!

6 de abril de 2013

Levada do Caldeirão Verde - Ilha da Madeira



Ponto de Partida: Queimadas
Ponto de Chegada: Queimadas
Tempo: 5h30 (ida e regresso) Extensão: 13 Km
Este trilho percorre a esplanada da levada do Caldeirão Verde numa altitude dos 990m no Concelho de Santana. Este percurso tem início e fim no Parque Florestal das Queimadas, numa extensão de 6,5 Km (+ 6,5Km de regresso), numa duração de 5h 30m (ida e regresso).
No Parque Florestal das Queimadas encontra-se a Casa de Abrigo das Queimadas, que mantém as
características originais das Casas Tipícas de Santana, apresentando telhado em colmo.
Neste Parque existem espécies vegetais arbóreas algumas exóticas realçando exemplares de criptoméria elegante (Cryptomeria japonica) e de faia europeia ( Fagus sylvatica); e outras indígenas como o cedro da Madeira (Juniperus cedrus), o til (Ocotea foetens), o pau Branco (Picconia excelsa), urze (Erica platycodon subsp. maderincola), folhado (Clethra arborea), uveira da serra (Vaccinium padifolium).
Ao iniciar o percurso logo é encontrada a esplanada da levada do Caldeirão Verde. Esta levada, é uma impressionante obra de arte construída no século XVIII, tem início no leito principal da Ribeira do Caldeirão Verde e atravessa por abruptas escarpas e montanhas, transportando a água que escorre das mais altas montanhas da ilha da Madeira, para o regadio dos terrenos agrícolas da freguesia do Faial. Esta levada constitui uma importante via no interior do vale profundo da Ribeira de São Jorge oferecendo ao caminhante uma vertiginosa e espectacular visão da orografia do interior da ilha e a possibilidade de passar por túneis escavados na rocha pelo Homem.


Ao longo do percurso são observadas espécies vegetais pertencentes à Floresta Laurissilva do Til e do Vinhático destacando-se o til (Ocotea foetens), o loureiro (Laurus novocanariensis), o folhado (Clethra arborea), o sanguinho (Rhamnus glandulosa), o perado (Ilex perado), leituga (Sonchus fruticosus), o aderno (Heberdenia excelsa), a corriola (Convolvulus massonii), sabugueiro (Sambucus lanceolata), piorno (Teline madeirensis), o isoplexis (Isoplexis sceptrum) e o alegra –campo (Semele androgyna). Para além destas espécies podem ser observadas com grande frequência as urzes das vassouras e molar (Erica platycodon subsp. maderincola e Erica arborea) e a uveira da serra (Vaccinium padifolium).
Neste percurso também podem ser observadas espécies de avifauna indígena destacando-se o tentilhão (Fringilla coelebs), o bisbis (Regulus ignicapillus madeirensis), o Pombo Trocaz (Columba trocaz trocaz), a Lavadeira (Motacilla cinerea schmitzi) e a manta (buteo buteo harteti).


Ainda no início do percurso pode ser avistado um pequeno aglomerado populacional, trata-se da Achada do marques, sítio contemplado com o estatuto de Paisagem Protegida caracterizado pelos tradicionais poios agrícolas e antigos palheiros de pedra. 
Depois de passar pelos 4 túneis existentes ao longo do percurso, o Caldeirão Verde surge à esquerda da levada e para lá chegar, basta subir alguns metros pelo leito do ribeiro. Para passar estes túneis, uns mais extensos do que outros, é necessário atenção pois o piso é escorregadio.




O lago do Caldeirão Verde é formado pela água que se projecta verticalmente do leito do Ribeiro do Caldeirão Verde a uma altura de aproximadamente 100m.
Depois de repousar um pouco e apreciar a paisagem natural envolvente e a espectacular cascata, é tempo de regressar percorrer o mesmo trilho até ao Parque Florestal das Queimadas.

Postagens recentes